Páginas

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Curiosidade: Edith Gaertner e seu Cemitério de Gatos - Blumenau / SC

edith01.jpg
Edith era uma mulher à frente de seu tempo. Nascida em 22 de março de 1882, era sobrinha-neta do químico e filósofo Hermann Bruno Otto Blumenau (1819-99), fundador da cidade de Blumenau. Com temperamento independente, aos 20 anos viajou sozinha para Buenos Aires. Seu grande sonho era o teatro e na Argentina conheceu sua musa inspiradora, a atriz Elenora Duse. Edith foi para a Alemanha, onde cursou a Academia de Arte Dramática em Berlim. Percorreu as principais cidades da Europa trabalhando em peças nos mais renomados palcos de teatro, com peças de Goethe, Schiller, Molière e Shakespeare. Com a doença dos irmãos solteiros, Edith teve que retornar a Blumenau em 1924 e abandonou a carreira artística. Ela voltou à Alemanha somente em 1928 e permaneceu lá por mais de um ano. Nesta época, a Alemanha vivia os efeitos do pós Primeira Guerra Mundial. Quando retornou ao Brasil, Edith modificou radicalmente seus hábitos e estilo de vida. Do constante e assíduo contato com o público, preferiu refugiar-se no silêncio da sua propriedade, entre livros, animais e o verde do parque nos fundos da casa, e foi assim até o final de sua vida.

edith04.jpg
A ameaça de perder parte de seu patrimônio (um dos mais expressivos referenciais da colonização alemã) para dar lugar a uma nova rua, fizeram-na tomar uma atitude: doou para o município uma área de 1.775 m² . A doação foi feita sob a condição de se manter a área tal como a deixara, garantindo que ninguém a perturbasse em seu retiro enquanto vivesse, e que após sua morte este patrimônio continuaria a ser mantido. Edith faleceu em 15 de setembro de 1967. A residência, o horto e outras benfeitorias foram incorporadas à Fundação Cultural de Blumenau, transformadas no Museu da Família Colonial e Parque Botânico Edith Gaertner.

Edith deixou registro fotográfico das flores que alegravam seu belo jardim e dos gatos, seus fiéis companheiros. A atriz tinha grande afeto pelos felinos, que ao morrerem eram enterrados com funeral e cortejo fúnebre. No Cemitério dos Gatos (foto abaixo, à direita) estão enterrados: Pepito, Mirko, Bum, Peterle, Musch, Schnurr, Sittah, Putze e Mirl.

Além do Parque Botânico que leva seu nome, há também a Sala de Teatro Edith Gaertner, dentro da Fundação Cultural de Blumenau, e parte de sua história é contada no longa-metragem “Outra Memória”, dirigido por Chico Faganello.


Dizeres da placa: “Ao esmagar, hoje, uma aranha perguntei-me se era lícito matar a quem Deus dera, como a mim, parte igual nos dias desta vida”

O Cemitério dos Gatos de Edith Gaertner é o único no mundo.

7296645

5 comentários:

Anônimo disse...

SIM, eDITH MORREU COM 145 ANOS????DATAS ERRADAS

Anônimo disse...

Vc não sabe fazer contas?
1967 - 1882= 85!!!!
Simples assim!!!

Anônimo disse...

Vc não sabe fazer contas?
1967 - 1882= 85!!!!
Simples assim!!!

Rosinha Monkees Viegas disse...

Estive hoje no local e amei, fomos muito bem recebidos pelomLeandronque nos deu muitas informações sobre a casa e Edith. Parabéns a todos que cuidam desse patrimônio histórico.

Cleusa Kugik Gomes disse...

Ja visitei o cemitério por várias vezes sempre que chega alguma visita de outra cidade , levo pra conhecer, também gosto muito de gatos.
É uma história interessante Edith era uma pessoa especial e viveu por 85 anos na época era muito, gostaria de saber mais sobre a vida dela... quando era velhinha tinha alguém que cuidava dela ? Fazia sua propria comida ?